terça-feira, 12 de junho de 2018

Sempre Pouco

É sempre pouco o quanto espero
para ve-Te no Céu enquanto
espero ver-Te aqui no tempo,
espero um dia possuir-te só,
ser somente Teu, esquecer-me
de todo resto e a tudo ver
com Teu olhar, amar a todos
com Teu amor, viver de Ti,
abandonado, pobre, despojado

Mas eu sempre espero pouco,
o tempo é pouco, sempre curto!
Quando olho e vejo: já Te tenho,
já me tens e o passado é pó,
desfez-se num sopro e só,
já nem posso olhar atrás,
seria desistir do que esperei,
esperei tanto e tão pouco
agora que já me tens aqui

Desfez-se o tempo neste tempo
que já parece a Eternidade,
sou Teu Céu, Teu Sacrário
meu coração é Teu presépio,
sou Teu berço e ostensório,
sou barro e pó e me fizeste
vaso puro, pobre, simples
que Te espera acolher hoje
para sempre ser em Ti e só

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Meu desejo

És meu desejo, meu sonho, luz que brilha ao longe no caminho indicando a direção e, em meu peito, chama, amor ardente que me abrasa e que me impele a ser mais do que sou, a dar-me, esvaziar-me de minhas pretensões e das esperanças todas que tivera antes de Ti.

Jamais posso repousar, És caminho nunca findo, destino inatingível e só tangível pela fé, esperança quase cega e cega, só vejo um rastro fino de Tua luz e o resto creio, é luz que basta ao meu caminho, Teu caminho para mim aqui, até que finde, quando assim o quiseres, meu martírio, meu desejo, meu motivo. És para mim e eu agora para Ti, És minha esperança e prêmio que já possuo abandonando o que não posso ter ao mesmo tempo, todo o resto, até meu coração e minha vida. Dou-te tudo e te darei sempre um pouco mais até que tudo tenha sido posto sobre o altar do sacrifício e consumido pelo fogo de Teu amor divino que me impele e me atrai, que me queima fazendo perecer o que não poderá ser Teu.

Eis-me aqui, Amor, meu coração rendido e meu desejo, meu propósito e promessa de ser inteiro para Ti e não dividir meu coração, de dar-te minhas mãos e pés, meu olhar, minha voz e coração, dar-te minha vida para ser Teu sacrário e ostensório, sinal do amor que tens por mim, do amor que me mantém cativo nesta divina liberdade, em Teu serviço. Eis aqui Teu servo que, mesmo compreendendo pouco, aceita tudo que virá de Tuas mãos.