quinta-feira, 3 de julho de 2014

O que vi

O que meus olhos esperavam
ver quando se abriram à tua luz?
Esperava um consolo, contentamento
instantâneo porém duradouro,
uma compensação aos fracassos
de outras esperanças que tive
antes de conhecer-te, Senhor

Vi sobre mim tua misericórdia
pousar e permanecer, tua força
misteriosa que me faz caminhar
quando não posso ver, viver
sem pesares mesmo se as dores
e a insatisfação prevalecerem
no tempo e não houver repouso

Vi o teu rosto, luz inefável
a iluminar-me a razão, sentimento
que não sei descrever, mistério!
Não era luz o que vi, tampouco
era sonho, devaneio, ilusão,
era fé, iluminação, despertar
de meus sonhos, ressurreição

Senti teu abraço, mistério
que tampouco sei descrever,
teu corpo, doce mistério!
Tua vida era a minha, inefável
revelação, meu sangue era o teu,
meus olhos fechados, abertos,
era a ti que eu via, meu Deus.